Quando era estudante de jornalismo havia um amplo debate no Brasil sobre a exigência do diploma no exercício da profissão de jornalista. Lembro que foi bem no ano em que todos da minha classe preparavam-se para enfrentar o mercado de trabalho e apresentar o TCC – Trabalho de Conclusão de Curso, porém, tudo tinha que ficar em segundo plano, afinal de contas, nós tínhamos um debate macro para fazer. Tínhamos que nos movimentar junto aos demais estudantes e jornalistas atuantes para discutir a importância do diploma para os jornalistas. E assim foi, discussões, debates, reportagens, temáticas até chegar ao Senado.

Por que estamos falando isso? Porque acreditamos na importância de ouvir a sua opinião neste  debate tão relevante que é o processo de REGULAMENTAÇÃO DA PROFISSÃO DO SÍNDICO ou A DEFESA AMPLA DO LIVRE MERCADO PARA SÍNDICOS (sem regulamentação). Acreditamos que seja necessário levantar a voz e dizer: SOU CONTRA! SOU A FAVOR! NÃO CONCORDO! CONCORDO! 

O Jornal Síndico Profissional, como qualquer veículo de comunicação tem um compromisso real com o seu leitor e traz muito conteúdo focado na carreira individual do síndico profissional, porém, ao longo de sua produção, trará sempre debates de interesse de um todo, de todos os síndicos profissionais. E a regulamentação da profissão é um destes temas. Nossos leitores tem um conhecimento muito mais avançado sobre todos os processos. Eles interagem, somam,  conversam, discutem...  Venha somar. 

No Fórum de Discussões no Facebook foi levantado a seguinte questão “Ao pensar em SÍNDICO COMO UMA PROFISSÃO, você acredita no LIVRE MERCADO ou na REGULAMENTAÇÃO DA “PROFISSÃO” DO SINDICO?”

Confira algumas opiniões e deixe o seu comentário. Qual é a sua opinião? Você é contra ou a favor do processo de regulamentação da profissão?


Aderson Jose de Oliveira  entendo que a restrição ou "controle", tende a piorar as coisas, o mercado se auto regula, as pessoas se iludem com as aparências, oportunidades de bons salários entre outros atrativos que a função oferece, quando batem de frente com o empreendimento e todos os problemas que vem junto, ai sim, só ficarão no mercado, os mais preparados, aquele que buscam perfeiçoamento diário, isso mesmo, diário!! Pois, todo dia, há uma demanda nova a ser equacionada, esse é o divisor de águas entre síndicos qualificados e aventureiros. Aposto minhas fichas no livre mercado.

Pieter Marinus Van Linschoten O LIVRE MERCADO sempre foi o regulador em qualquer área e acredito aqui ser a mesma coisa. E vai acontecer a seleção natural nesta atividade também, pois só vai ficar ou se destacar quem tem experiência e procurar estar se aprimorando e adquirir conhecimento.

Marcello Brandao Acredito que a regulação do mercado seja algo impossível de ocorrer. Existem interesses de advogados, administradores, engenheiros, contadores em reserva de um mercado altamente pulverizado. Como acreditam que possa ser a fiscalização para fazer valer a regulação? Pelos Conselhos Estaduais? Por entidades públicas? Eu acredito que há muito pouca divulgação das consequências de ser um síndico. Esse deveria ser o ponto chave de união de todos que querem regular o mercado. Os curiosos devem ser informados dos riscos que correm em seu CPF.

Claudio Romero Se entendi a questão quem faz o mercado é o próprio condomínio. Ninguém regula nada. Quem manda são os condôminos se querem ou não ter a atuação de um sindico profissional.

Oscar de Freitas É claro que este mercado precisa ser regulamentado, para ser respeitado como todas outras profissões. É preciso diferenciar um síndico profissional que fez apenas um cursinho do que além de ter feito vários cursos para síndico Profissional, participou de várias palestras, vários outros cursos sobre matérias do condomínio. Eu só me senti estar pronto para trabalhar como síndico profissional após 4 anos de estudos. E não aprendi tudo. 

Anderson Machado A questão do livre mercado não se aplica quando a regulamentação é específica. Não vemos pessoas físicas sem formação superior exercendo a profissão de advogado ou médico, essa regulamentação seria somente para manter um padrão de administradores profissionais de condomínios. Trazendo segurança aos clientes, reciclando a categoria, valorizando a categoria, e tornando o mercado mais competitivo em tese.

Assim como a profissão de Esteticista. Houve uma grande recusa inicial, mas após a regulamentação melhorou muito a área, inclusive no quesito segurança ao cliente, que sabe que está nas mãos de um profissional habilitado para realizar os procedimentos. A final não existe livre mercado sem profissionais Liberais com regulamentação e registro. Resumindo. A regulamentação nada mais é do que o reconhecimento do estado com a profissão liberal de síndico profissional.
  • Coloque sua opinião abaixo desta matéria. (Ao se apresentar diga qual sua cidade e função em condomínio). Seja bem vindo ao debate.
Texto: Eli Antonelli/ Jornalista Jornal Síndico Profissional 

12 Comentários

Muito obrigado por seu comentário. Não esqueça de deixar seu NOME e CIDADE no seu comentário.

  1. Acredito no livre mercado, ela manterá os mais preparados e eficientes, a regulamentação não garante qualidade, apenas formação mínima e uma categoria profissional. Um sindico profissional sem uma formação mínima será naturalmente desqualificado pelo mercado, assim sendo a quem servirá a regulamentação? Provavelmente a um grupo interessado em criar mais uma sindicato, conselho ou similar para viver de contribuições de associados.

    ResponderExcluir
  2. Eu trabalhei como Síndica profissional, sendo funcionária do Condomínio, com todos meus direitos garantidos,mas, toda a responsabilidade do condomínio, eram minhas, pois toda a documentação, era a minha assinatura que estava lá. Mas acredito no livre mercado, desde de que sejam profissionais capazes. Não adianta a experiência apenas em cursos ou em um diploma de sindico, precisa ter a experiência, o jogo de cintura, para conseguir solucionar os problemas do dia a dia, saber conduzir uma assembléia, consertar uma bomba,uma câmera. E disso, desse profissional que um condomínio precisa, experiência real, trabalhada.

    ResponderExcluir
  3. Pessoal, não esqueçam de se apresentarem nos comentários. Digam seu nome e a sua cidade. Sejam bem vindos.

    ResponderExcluir
  4. No meu entendimento,livre mercado e a vibe, pois a evolução do homem moderno caminha para isto!!!

    ResponderExcluir
  5. Sou a favor da regulamentação para que nos termos mais poder até nas negociação.
    Roque teixeira
    Salvador- Ba

    ResponderExcluir
  6. Deve ter regulamentação pois se torna injusto uma pessoa com Graduação em Admnistração concorrer com alguém sem formação alguma e não recolhe a taxa anual do conselho; pois quando você e inscrito em um conselho de classe você passa a ser fiscalizado pelo Conselho.
    E tendo a regulamentação passara ter uma seleçãoais critiriosa exemplo você não jamais um administrador atuando como advogado.
    Então no meu ponto de vista sou muito a favor.
    Adjalma Luiz Orsi Gomes
    Síndico Profissional
    Sorocaba SP

    ResponderExcluir
  7. Regulamentação ja, para evitar a proliferação dos nao titulados.

    ResponderExcluir
  8. Precisamos ter um nivelamento melhor das pessoas físicas ou jurídicas que são ou querem ser sindico por profissão.
    Sou a favor da regulação pois, tem muitas pessoas e empresas fazendo trabalho de sindico sem qualquer preparo ou experiência e muitas vezes os moradores não tem conhecimentos.
    Atythude síndicos
    Amilso
    Curitiba. PR.

    ResponderExcluir
  9. Sou a favor da regulação para melhorar o nível dos serviços.

    ResponderExcluir
  10. Precisa ser regulamentado urgente, pois tem muitos aproveitadores no circuito, fiz 03 cursos no seguimento, pois não existe uma grade de curso mínima para formação. E onde são ministrados os cursos deveria ser uma Escola específica sem outros interesses.

    Paulo Ferracini
    Campinas SP

    ResponderExcluir
  11. Regulação já.
    Precisa ter uma forma de elevar o nível dos serviços dos síndicos profissionais de verdade.

    ResponderExcluir
  12. Quando não consegue mostrar o valor do próprio trabalho a solução é criar órgãos para definir o valor artificialmente

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Muito obrigado por seu comentário. Não esqueça de deixar seu NOME e CIDADE no seu comentário.

Postagem Anterior Próxima Postagem

Deixe seu comentário

Deixe aqui seu comentário. Não esqueça de escrever seu nome e cidade. Sua opinião é muito importante para o JORNAL SINDICO PROFISSIONAL. Você pode escrever aqui ou enviar para jornalsindicoprofissional@gmail.com